Palcos
Guia prático do Cistermúsica 2019
Sara Vieira

Para quem possa sentir-se perdido com a vasta programação do Cistermúsica, preparámos um Guia Prático do maior festival de música clássica do País para este ano.

27 Junho, 2019

Guia prático do Cistermúsica 2019

É apresentada como a edição “mais popular”, “ambiciosa” e "alargada" de sempre. E não é para menos. A 27.ª edição do festival de música de Alcobaça, que promete ser "erudita e popular", preparou 50 espetáculos em 13 concelhos ao longo de 30 dias. 

O que é o Cistermúsica?

A primeira edição do Cistermúsica – Festival de Música de Alcobaça foi apresentada em 1992 com o objetivo de dotar a cidade de programação “regular” nas áreas da música e dança eruditas. O primeiro espetáculo da história do festival decorreu no Mosteiro de Alcobaça quando, a 2 de maio de 1992, o Coro do Orfeão de Leiria entoou obras de compositores portugueses como Horácio Eliseu, Ernesto Henriques, Mário Sampayo Ribeiro, José Firmino Soares, Fernando Lopes-Graça ou José Gomes Ferreira.

O festival nasceu pela mão do vereador com o pelouro da Cultura, José Carvalho Pedrosa e só em 2002 a Academia de Música de Alcobaça surge como co-organizadora do festival. Desde então, o evento tem desbravado caminho noutros territórios, tornando-se hoje no maior festival de música clássica do país. Extravasou as fronteiras do concelho de Alcobaça e foi conquistando um alcance nacional e até ibérico. Aproximar o grande público da música clássica continua a ser uma das razões de ser do Cistermúsica.

Organizado pela Banda de Alcobaça e pelo Município, o Cistermúsica afirma-se como “um clássico para todos”, contando este ano com o mais alto reconhecimento, o do Presidente da República, que lhe concedeu o seu Alto Patrocínio.

Onde vai decorrer?

O epicentro do Cistermúsica continua a ser o Mosteiro de Alcobaça, que acolherá 21 dos 50 espetáculos previstos nesta edição. Em Alcobaça, também o Museu do Vinho, o Mosteiro de Coz, o Cine-teatro João D'Oliva Monteiro, o Centro Cultural Gonçalves Sapinho, a Igreja Matriz de São Martinho do Porto, a Igreja Matriz de Pataias e o Parque dos Monges servirão de palco a espetáculos do festival.

Os municípios de Marinha Grande, Batalha, Porto de Mós, Rio Maior, Coimbra, Leiria e Peniche juntam-se ao portfólio do Cistermúsica com a programação "Em Rede". 

Destaque ainda para a Rota de Cister, que vai levar espetáculos a Arouca, Lisboa, Penacova e Évora.

Como é que a programação está organizada?

A "Programação Principal" é, como o nome indica, a mais importante em torno da música erudita. Os grandes concertos com grandes nomes decorrem na sua maioria no Mosteiro de Alcobaça. Paralelamente, existe a “Programação OFF”, que promove o cruzamento da música erudita com outras expressões artísticas como o cinema, teatro e, sobretudo, a dança contemporânea, e outros géneros musicais, como o fado e o jazz.

A "Programação “Em Rede", a "Rota do Oeste" e a "Rota de Cister" evidenciam o crescimento do festival, levando concertos a mosteiros cistercienses e a outros municípios.

Existe ainda a programação “Júnior e Famílias”, de carácter mais pedagógico e didático.

Quem, quando e onde?

O concerto de abertura, de Ludovice Ensemble, está agendado para este domingo, às 18 horas, na Nave Central do Mosteiro. Mas, antes, poderá ainda assistir aos espetáculos da Academia de Dança de Alcobaça (Folhas de Papel), no Cine-teatro de Alcobaça, esta sexta-feira, às 21:30 horas, e no sábado, às 16 horas, e da Academia de Música de Alcobaça (A Rua, Teatro Musical), na Cerca do Mosteiro, às 21:30 horas, prometem não desiludir. 

Destaque ainda, neste primeiro fim de semana do festival, para o espetáculo do duo de saxofone e acordeão, Gonçalo Pescada e Mário Marques, em São Pedro de Moel, agendado para este sábado, às 18:30 horas.

No dia 5 de julho, às 18 horas, na Casa da Cultura de Rio Maior, a Companhia de Teatro Triac:to apresenta o espetáculo "A Última Lição". No mesmo dia, às 22 horas, no Claustro D.Afonso VI no Mosteiro de Alcobaça, o Ballet Contemporâneo do Norte brindará o público com "Repertório para Cadeiras, Figurantes e Figurinos".

A Big Band da Nazaré e Carlos Alberto Moniz vão fazer um tributo a Frank Sinatra no dia 6 de julho, às 22 horas, no Parque Verde de Alcobaça.

O Mosteiro de Coz acolhe, no dia 7 de julho, às 18 horas, o Officium Ensemble com Obras-Primas da Renascença.

Concertos que não poderá perder: "Novos Tempos" de Kronos Quartet na Cerca do Mosteiro de Alcobaça no dia 9 de julho às 21:30 horas; "Piano Clássico e Romântico" da sul-coreana Young-Choon Park no dia 11 de julho às 21:30 horas no Claustro D.Dinis do Mosteiro de Alcobaça; "Sopros da Vida" de Ensemble CriaSons na Sacristia do Mosteiro de Alcobaça no dia 12 de julho às 21:30 horas e a norte-americana Madeleine Peyroux, que vem à Cerca do Mosteiro de Alcobaça no dia 19 de julho às 22 horas.

Prepare-se para aguentar o fôlego do dia Non-Stop (13 de julho): quatro concertos e um bailado seguidos a partir das 17 horas. "Homero", interpretado por Toy Ensemble, será apresentado na Sacristia do Mosteiro. A seguir, às 18 horas, na Sala do Capítulo, será a vez de o duo irlandês Michelle L. O'Connor e Wolodymyr Smishkewych interpretar "Estrelas e Pedras". Segue-se o espetáculo "Porto Interior" de Rão Kyao e Lu Yanan às 19 horas na Sala dos Monges. Camané e Mário Laginha sobem ao palco instalado no Claustro D. Dinis às 21:30 para mostrar "Aqui Está-se Sossegado". Caberá à Companhia de Dança de Almada encerrar o NonStop com o bailado "SubRosa" a vários espaços do Mosteiro a partir das 22:45 horas.

 

No dia 14 de julho, a Banda Sinfónica de Alcobaça "instala-se" na Cerca do Mosteiro para mostrar "Paisagens Sonoras" às 21:30 horas. Já Gonçalo Pescada e Mário Marques farão um "Tributo a Piazzola e Galliano" no dia 17 de julho, às 21:30 horas, na Igreja Matriz de São Martinho do Porto. 

"Aleluia" será interpretado pelo Coro da Banda de Alcobaça na Igreja Matriz de Pataias, num espetáculo agendado para dia 18 de julho às 21:30 horas.O "Sortilégio de Viena" será apresentado pelo Ensemble Mediterrain no dia 20 de julho no Centro Cultural Gonçalves Sapinho, na Benedita, às 21:30 horas.

La Trova vai ao Museu do Vinho de Alcobaça no dia 21 de julho, às 18 horas, apresentar "Amargas Videiras, Alegre Vinho". Por sua vez, o Trio Elogio prepara-se para levar "A Guitarra Espanhola" à Igreja da Misericórdia, em Peniche, no dia 25 de julho, às 21:30 horas. No mesmo dia, Dança em Diálogos vai apresentar, às 22 horas, "Tudo Quanto Vi - Um poema coreográfico para Sophia" no Claustro D. Afonso VI no Mosteiro de Alcobaça.

Os "Concertos e Serenatas" dos Solistas de Zagreb e Ana Ferraz" serão apresentados no dia 26 de julho, às 18 horas, num local ainda a anunciar.

Sem esquecer a Orquestra Estágio Gulbenkian, que vai apresentar, no dia 26 de julho, às 21:30 horas, na Cerca do Mosteiro de Alcobaça "Da Aurora ao Crepúsculo". Também destaque para a Orquestra Filarmónica Portuguesa, que vai atuar no palco da Cerca do Mosteiro de Alcobaça no dia 27, às 21:30 horas, com "Quem Tem Medo da Ópera?".

Caberá ao Cuarteto Casals encerrar o Cistermúsica 2019 com o espetáculo "Genials Quartetos de Cordas" no dia 28 de julho às 18 horas no Celeiro do Mosteiro.

As entradas são livres?

Muitos dos espetáculos são de entrada gratuita, sendo que o preço dos restantes varia entre os 6 e 30 euros. Há, igualmente, a possibilidade de adquirir o passe geral do festival (120 euros) ou passes de fim de semana (entre 30 e 50 euros). Pode adquirir os seus bilhetes aqui.

Vemo-nos lá?

Veja também

10 Maio, 2021
Com o objetivo de ser revolucionário e assumindo uma atitude corajosa de avançar com espetáculos em dois momentos distintos, o evento aposta em projetos artísticos em espaços não convencionais, dando...
23 Abril, 2021
Foi um dos filmes escolhidos para assinalar esta semana o regresso presencial às salas de cinema em Portugal, após mais um longo período de confinamento, chegando agora ao grande ecrã com uma...
19 Abril, 2021
O ser humano prospera no conforto e na estabilidade. Há até investigadores que defendem que somos uma espécie preguiçosa e carente de gratificação instantânea. Não vou tão longe, apesar de...